Baixo Mondego - AzimuTTe Zero

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Baixo Mondego

Todo-o-Terreno
AzimuTTe: Baixo Mondego

8 de Agosto de 2020

    Este AzimuTTe foi, para mim, assaz especial: como que levar os amigos a visitar o local de trabalho. O percurso, as visitas, as paragens, a(s) História(s) foram, integralmente, as que um qualquer turista (e já falaremos dos locais) desfruta quando se dá ao incómodo de me chamar para ir conhecer os arrozais e salinas do Baixo Mondego. É uma actividade que desenvolvo desde 2015 e que conta já com um número significativo de nacionalidades visitantes: Espanha (sim, foram eles os primeiros a chamarem-me), Portugal, Luxemburgo, Suíça, Estados Unidos, Brasil, Canadá, França, Alemanha, Países Baixos, Bélgica, Jordânia, Tailândia e Colômbia, e idades entre os vinte e poucos e os oitenta e qualquer coisa. Não se pode pedir maior transversalidade (termo muito em voga nos mais variados campos). Uma única coisa em comum, porém, entre todos estes e comungada igualmente pelos participantes neste AzimuTTe: o interesse pelo nosso património, pela nossa cultura, pela terra que visitam. E disso levam que contar, começando no estanho dos fenícios, louças do barco romano, mistério do castelo desaparecido, D. Afonso Henriques, disputas entre crúzios e jesuítas, Pedro e Inês, caminhos de Santiago, moinho de marés, tudo sob o olhar atento de garças-reais, cegonhas, milhafres, maçaricos, corvos-marinhos, flamingos em carpetes de arroz e tapeçarias de sal.
   Quanto aos locais, muitos me perguntam o que faço e, quando explico e os convido a vir, me respondem que já conhecem, porque passam por lá na A14! Como me dizia a colombiana María Ortiz: ‘Nadie es profeta en su tierra.’
   Um churrasco na Casa Abrigo do Sporting Clube Figueirense, na Serra da Boa Viagem, mirando a cidade aos pés e a extensa costa para sul, pondo as conversas em dia, foi a única diferença entre o fim deste AzimuTTe e o fim do Passeio Arrozais e Salinas.

PS - Um especial agradecimento às Câmaras Municipais de Figueira da Foz e Montemor-o-Velho, e à empresa Ernesto Morgado, S.A., do Alqueidão, pelo apoio prestado.

Texto: Nuno Furet
Fotografias: Nuno Furet, João Veríssimo, Clara Silva, António Elísio, António Marques, Celeste Carrasco e
Jorge Ferreira

 
Copyright 2015. All rights reserved.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal