Próximo - AzimuTTe Zero

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Próximo

Todo-o-Terreno
AzimuTTe: Cultura Castreja

1/2 de Dezembro de 2023

    No coração do Minho, vamos visitar a cidade que lhe deu o seu maior ex libris: Barcelos e o seu galo, que, aliás, vamos pintar. Entre o Museu da Olaria e a Torre Medieval cabem um Museu de Arqueologia a céu aberto (porque o edifício que o acolhe é uma ruína), um  floridíssimo jardim, uma igreja octogonal por fora e cruz grega por dentro, tudo embrulhado por uma acolhedora cidade de cara lavada. Isto, no dia 1, sexta-feira. No sábado, dia 2, o périplo levar-nos-á pelo Castro do Sabroso, pelo Museu da Cultura Castreja, em Briteiros, pela sua Citânia, pelo Castelo da Póvoa de Lanhoso, pelo Castro local, terminando no imponente conjunto monástico que é o Mosteiro de São Martinho de Tibães.
     Ah! Não sei se já vos tinha dito que vamos pintar o Galo de Barcelos. Já tinha?

AzimuTTe (substantivo masculino): passeio de todo-o-terreno cultural

Para mais informações, clique aqui.


 
AzimuTTe: Açor de Estrelas

Adiado

   Há uma imensa constelação na Serra do Açor. Piódão será uma das suas maiores estrelas, mas há muitas mais que contribuem com o seu brilho para nos guiar neste AzimuTTe: acampamento militar romano, Torre da Paz, gravuras rupestres, Aldeias de Xisto ou locais de uma beleza natural que nos serena.
   No entanto, o dia não terminará com o habitual jantar. Ao serão, uma caminhada até ao espelho de água da Albufeira da Barragem de Santa Luzia, para observação das outras estrelas, as lá de cima, pela mão de um guia, munido do imprescindível telescópio, para tentarmos ver as pegadas de Neil Armstrong na superfície da lua.
No domingo, passeio pelos principais monumentos de Arganil.
 
AzimuTTe (substantivo masculino): passeio de todo-o-terreno cultural


Arrozais e Salinas

Passeio em viatura todo-o-terreno

    O rio Mondego corre sereno, as serranias deixadas para trás. As suas águas, mesmo antes de se confundirem com o oceano, proporcionam, nas zonas alagadiças dos concelhos de Montemor-o-Velho e Figueira da Foz, a produção de um dos pilares económicos desta zona designada por Baixo Mondego, com uma importância que muitas vezes passa despercebida: o arroz.
   No estuário, sob a influência do mar, encontramos o sal. Outrora grande motor da economia local, com o abandono de algumas salinas, decaiu a exploração, mas as que teimosamente resistem continuam a ser testemunhos vivos de épocas antigas.
   É todo esse património cultural, histórico e natural que aguarda pelo visitante interessado e curioso. Dos fenícios às disputas entre crúzios e jesuítas e muito mais, sob o olhar atento de garças-reais, cegonhas, milhafres, maçaricos, corvos-marinhos e flamingos em carpetes de arroz e tapeçarias de sal.
Horário: 09h,30m e 14h,00m.
Duração: 4 horas, aproximadamente.
Preço: 30,00€ por pessoa (mínimo 2 pessoas, máximo 4).
Inclui: Guia, deslocação em viatura todo-o-terreno, Seguros de Responsabilidade Civil e Acidentes Pessoais.
Grátis para crianças até aos 12 anos, acompanhadas por dois adultos.
Data: por marcação (tel. 966436522; geral@azimuttezero.pt).
Preço utilizando viatura própria, seguindo a da Organização: 50,00€.
 
Copyright 2015. All rights reserved.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal